Na nuvem: a transformação interna que fez a Bauducco “voar”
18 de maio de 2021
Projeto de migração para o SAP S/4HANA e construção de integrações robustas permitiram ao grupo Pandurata solucionar desafios internos, crescer no e-commerce e planejar nova fase de ascensão

Projeto de migração para o SAP S/4HANA e construção de integrações robustas permitiram ao grupo Pandurata solucionar desafios internos, crescer no e-commerce e planejar nova fase de ascensão

Digibee

 

Em meados de 2019, a Bauducco teve que tomar uma decisão. O maior grupo de alimentos forneados do Brasil precisava superar paradigmas do passado e abrir espaço para a modernização, mesmo que isso significasse um grande chacoalhão interno.

O gerente de TI Fábio Martins lembra das dificuldades de crescimento da Pandurata Alimentos, o grupo que engloba todas as marcas da família Bauducco. “Estávamos com o mesmo ERP havia 25 anos. Era uma estrutura tecnológica muito defasada.” A gestão de TI da Bauducco iniciou, então, um profundo projeto de transformação interna. A principal mudança seria a migração do antigo ERP para a solução SAP S/4HANA, em cloud. 

Mas a transformação ia além da simples substituição de ERP e incluía mudanças estruturais de equipamentos e o foco em ferramentas de integração mais eficientes, que trouxessem agilidade para o negócio e o atendessem de forma ampla, simplificando as arquiteturas e o landscape. As soluções antigas de integração eram tão rudimentares que impediam, por exemplo, o aproveitamento da sua plataforma de e-commerce.

E os obstáculos não eram somente tecnológicos. “A Bauducco é uma empresa com funcionários antigos, muito acostumados com o dia a dia. A troca de um ERP com tanto tempo de casa também significou uma transformação bem profunda na rotina das pessoas. Tivemos que trabalhar isso”, conta Martins.

Go live em lockdown

O passo seguinte foi procurar pelas soluções que ajudariam a Bauducco nesse desafio. A Accenture, uma das maiores empresas de consultoria do mundo, foi escolhida para implementação do S/4HANA. E a Digibee, com pouco mais de dois anos de vida, chegou como a ferramenta para as integrações. “Identificamos que a Digibee HIP era a melhor alternativa principalmente por causa da curva rápido de implementação”, lembra Fábio. 

O principal papel da Digibee seria trabalhar a integração do novo ERP com os 12 sistemas legados, que possuíam tecnologias, arquiteturas e linguagens completamente diferentes entre si. Esse era um dos maiores receios da Bauducco: sem a comunicação adequada entre os sistemas satélite e o S/4HANA, o projeto simplesmente não funcionaria.

A metodologia da Digibee na construção de integrações reduziria esse trabalho em cerca de quatro meses, resultando também em um orçamento reduzido. Mas havia desafios, principalmente por ser a primeira integração direta da Bauducco com a Digibee HIP. Depois do aprendizado inicial, Martins lembra que o processo “decolou rapidamente” e foi concluído dentro do planejado.

Foram 10 meses até o go live, que incluiria todas as marcas ligadas ao grupo Pandurata e as operações de Brasil e Estados Unidos. O principal cuidado da implementação era preservar intacto o acesso do consumidor aos produtos Bauducco. Ou seja: nenhum sistema, incluindo os 12 legados conectados à Digibee HIP, poderia, de forma alguma, sofrer abalos que impossibilitassem a operação.

O go live foi marcado para março de 2020, mas novas surpresas aguardavam. Vinte dias antes da implementação, vários estados e cidades brasileiras entraram em quarentena por causa da chegada do coronavírus ao País. “De repente, todo mundo em casa, levando notebooks, criando uma sala de guerra remota para executar a operação. Não havia como postergar.”

O cenário desafiador, no entanto, não impediu o sucesso da implementação, que ocorreu sem contratempos, segundo o gerente de TI. “Pelas informações que temos, foi o primeiro go live remoto de SAP no Brasil. E, provavelmente, um dos primeiros do mundo.”

A decolagem do e-commerce

Recentemente, o go live fez aniversário de um ano, sem o registro de falhas relevantes durante esse período. As integrações construídas entre a Digibee e os sistemas legados continuam funcionando normalmente.

Para a Bauducco, os frutos foram abundantes. Alguns deles são mais difíceis de medir. “Com a transformação interna, logicamente, reduzimos muitos problemas que afetavam o nosso faturamento. Eram muitas dores de cabeça antes da mercadoria sair de casa e chegar até o cliente”, explica. Mas houve ganhos bem tangíveis. O maior deles foi no e-commerce. Martins credita a modernização das integrações como a principal responsável pelo aumento de 38% das vendas pela plataforma online da empresa. 

Com as integrações robustas e o backoffice garantido, a Bauducco pôde finalmente investir em mídia e marketing nas vendas online. “Sabíamos que a nova solução aguentaria o volume de vendas que seria exigido por causa da publicidade”, aponta Martins. A prova definitiva veio, claro, no Natal, um período de extrema importância para o faturamento da Bauducco. “Em 2020 houve um aumento significativo das vendas entregando panettones via e-commerce.”

Casa arrumada e pronta para a inovação

O uso da Digibee HIP fez com que a Bauducco reduzisse em 30% o tempo e o custo de seu processo de integração. O cálculo foi feito a partir do que foi investido – basicamente, os gastos envolvendo o uso da plataforma e de um técnico da Digibee no apoio à operação – em comparação com a quantidade de desenvolvedores que seria necessária para concluir o projeto internamente.

Outro ganho direto com o uso da plataforma foi a redução de seus vários fornecedores de integração para apenas três, Digibee HIP entre eles. “Ela se tornou o nosso único ponto focal de análise de integrações dos diferentes sistemas e tecnologias. Se há algum evento nas integrações, é só olhar diretamente com a Digibee que nós descobriremos o que aconteceu.” 

Para Martins, o projeto foi conduzido com robustez, transparência e agilidade, tanto no aspecto tecnológico quanto no de gestão, permitindo o tal chacoalhão interno que permite à empresa crescer ainda mais nos próximos anos. “Lançamos os fundamentos sólidos para que a Bauducco pudesse avançar na transformação digital. Primeiro: arrumamos a casa; agora temos bases sólidas para voar.”


Leia também

Rumo ao S/4HANA: Leandro Oliveira e o desafio da migração entre grandes ERPs

Sob os holofotes: Marcos Moraes e a integração que inaugurou o primeiro aeroporto industrial do Brasil

Atravessando a Muralha da China: Luiz Emmerich e a integração que ligou dois continentes

Share This