Sob os holofotes: Marcos Moraes e a integração que inaugurou o primeiro aeroporto industrial do Brasil
4 de março de 2021
Customer Success Manager da Digibee conta como foi participar, com pouco tempo de empresa, de uma integração que precisou ser acelerada para não atrapalhar o lançamento de um grande e inédito projeto no País

Customer Success Manager da Digibee conta como foi participar, com pouco tempo de empresa, de uma integração que precisou ser acelerada para não atrapalhar o lançamento de um grande e inédito projeto no País

Marcos Moraes*

 

Imagine só ser um dos responsáveis pela inauguração de uma operação envolvendo um grande aeroporto do Brasil. São várias instituições de olho em você: Infraero, governo do Estado, Ministério da Infraestrutura…

E, logicamente, tem o cliente. Que, nesse caso, era um dos maiores grupos de  concessão de infraestrutura, transportes e serviços do Brasil, que administra o aeroporto em questão. O desafio não era pequeno, não.

O projeto também era inédito, envolvendo o lançamento de um aeroporto industrial em um dos principais aeroportos do Brasil. Acho bom explicar o que é aeroporto industrial:  é um ambiente para manufatura de produtos diretamente integrado – inclusive fisicamente – a um aeroporto comercial. As empresas recebem incentivo fiscal para montarem suas operações nesse lugar. O resultado é a facilidade de exportações, redução de impostos e aumento da competitividade dessas empresas, que passam a atrair investimento internacional.

Integração, claro, é algo que a gente entende muito bem. Por isso, fomos escolhidos para integrar ao sistema de logística do aeroporto todas as empresas de produção local. A primeira delas começaria a operar em julho de 2020 – seria, na prática, a inauguração do Aeroporto Industrial.

Nos padrões comuns, esse projeto demoraria cerca de seis meses. Dependíamos de muitas coisas. Era nossa primeira experiência com o sistema de logística do aeroporto. A integração era muito complexa e envolvia mais de 20 fluxos de negócio – entre desenhar, construir e validar.

Quer saber qual foi o prazo que acertamos? Dois meses. Sem chance para atrasos.

Assumindo a frente 

Eu ainda era novo na Digibee, onde cheguei no começo de 2020 para trabalhar como customer success manager. 

Quando fechamos o contrato, eu já tinha tocado alguns projetos na Digibee, com integrações menores e mais simples. Mas, como eu disse, aquele prazo representava um desafio enorme. Havia concorrência com outras integrações e precisávamos provar que entregávamos o que prometíamos. 

Eu tinha, e continuo tendo, muita liberdade trabalhando na Digibee – o que foi um alívio. Se fosse uma empresa com muitos processos engessados e regulamentações burocráticas, seria simplesmente impossível fazer essa entrega. 

O grupo que administra o aeroporto também nos deu sinal verde para comandar o projeto de integração, inclusive para lembrar aos fornecedores todas as demandas que dependiam deles e que precisavam ser entregues no prazo. Se isso não acontecesse, todo o fluxo atrasaria.

Tínhamos um alinhamento diário, em um papo de 20 minutos, com os fornecedores. É verdade que a gente entrava nelas com uma “bigorna nas costas”, porque o peso de fazer aquela integração no prazo era grande. Mas, como não tínhamos muitas barreiras na comunicação, a coisa andou. A flexibilidade da Digibee HIP ajudou muito os fornecedores, que não precisaram fazer alterações drásticas em seus sistemas.

Cumprimos o prazo. Em dois meses, a entrega estava feita. A satisfação de todos foi enorme. Imagina se a inauguração do Aeroporto Industrial – que contou com a presença de todos os órgãos relacionados que eu mencionei, além da impressa – fosse manchada por causa do atraso na integração?

Cliente, ministério, Infraero, governo estadual etc… todos estavam de olho na gente. Entregamos. E aí vieram mais demandas, claro. Já estamos tocando a integração do segundo participante do Aeroporto Industrial e aguardamos a chegada de novas empresas que produzirão ali.

Amadurecimento do cliente – e do mercado

Quando iniciamos um novo projeto, eu escuto muito dos clientes a seguinte frase: “nossa, integração é um problema, é muito complicado”. Eles dizem que participaram de projetos de integração que duraram dois anos. Isso simplesmente não existe para nós. 

Muitas vezes eles chegam angustiados, dizendo que precisam entregar pelo menos parte de um projeto em um prazo rápido – um mês, ou algo perto disso. E aí, muitas vezes, nós analisamos e falamos que é possível fazer em uma semana e meia. Entre espanto e desconfiança, eles nos perguntam: “é esse prazo mesmo? Posso passar para a diretoria?”. Respondemos que sim. Às vezes, a gente entrega antes do prazo, inclusive.

Os clientes ainda consideram seu legado um problema e acham que ele não vai se conectar a nada. Nós explicamos que é mais simples do que parece. Com o tempo, eles param de pensar que a integração é um dragão de nove cabeças e passam a confiar na Digibee. Depois, ficam “mal acostumados” e apertam cada vez mais o prazo!

Acho que a Digibee está ajudando a mudar a forma como o mercado enxerga a integração. Não é mais aquela coisa engessada, complicada, prolongada e dolorosa do passado. E os próprios clientes estão se adaptando internamente. Eles percebem que  se chegarem com tudo já mastigado para iniciar um projeto com a gente, o processo  será mais rápido ainda.

É exatamente isso que está acontecendo com esse cliente do Aeroporto Industrial. Com toda a experiência inicial, já encurtamos o prazo de um segundo projeto de integração de dois meses para 15 dias, com possibilidade de ser até menor do que isso. Temos conhecimento das estruturas envolvidas, e o fornecedor do sistema do aeroporto também já está familiarizado com a nossa plataforma. 

Para mim, esse projeto é um marco. Foi minha primeira grande entrega na Digibee e, depois dela, me senti mais seguro para entregar qualquer coisa. Antes, eu ficava até preocupado quando olhava projetos com integrações mais complexas; agora, pode vir do tamanho que for. Não tem como me abalar.

Quando recebemos os agradecimentos espontâneos do cliente, como aconteceu com nesse caso, a satisfação é enorme. Por mais que você trabalhe nessa área há anos, receber um agradecimento é gratificante, porque você sabe que colaborou com o cliente e fez ele feliz. Só isso já faz tudo valer a pena. 

Trabalhar com a plataforma, os métodos e a equipe da Digibee realmente ajudam a vida de um customer success manager. Com esse suporte, fica fácil encantar o cliente!

 

*Marcos Moraes é customer success manager da Digibee

** Este conteúdo faz parte da série Bastidores da Integração de Sistemas. Acompanhe os próximos!

 

Leia também

Atravessando a Muralha da China: Luiz Emmerich e a integração que ligou dois continentes

Black Friday “para ontem”: André Iamonti e a criação de um e-commerce em 20 dias

RNDS: Vinícius Christ e a integração que ajudou o Brasil a combater o coronavírus

Share This